O Crescente sucesso da turma do sítio gerou um filme em 1951 com o título de O Saci, com direção de Rodolfo Nanni e Nelson Pereira dos Santos. Na história, a turma encontra um dos mais famosos personagens da lenda brasileira.  No elenco estavam: Olga Maria (Emília), Livio Nanni (Pedrinho), Aristéia Paula Souza (Narizinho),Maria Rosa Moreira Ribeiro (Dona Benta), Benedita Rodrigues ( Tia Nastácia), Otávio de Araújo (Tio Barnabé), M.Meneguelli (Cuca),Yara Trexler  (Yara), e Paulo Matosinho ( Saci).

Filme "O Saci"

    

No ano seguinte, o programa Teatro Escola de São Paulo, um teleteatro dirigido ao público infantil, criado em 1948 por Júlio Gouveia e sua esposa Tatiana Belinky, levou ao ar a primeira adaptação do Sítio para a televisão.  A Pílula Falante, um dos capítulos do livro Reinações de Narizinho, foi a história escolhida  pelo  casal para ser exibida ao vivo na extinta TV Tupi. O sucesso alcançado por esta única apresentação levou a emissora a produzir a primeira série de televisão do Sítio do Picapau Amarelo. O Programa estreou no dia 3 de junho de 1952 ( às quintas –feiras, 19h30) com a reprise do episódio A Pílula Falante, ficando no ar por 11 anos. Paralelamente á exibição ao vivo em São Paulo, a TV Tupi do Rio de Janeiro exibiu, por  dois meses no ano de 1955, uma versão da série com direção de Mauricio Sherman e produção de Lúcia Lambertini que também interpretava a Emília ao lado de Zenni Pereira  como Tia Nastácia.

 Tupi São Paulo

  

Tupi Rio de Janeiro

   

A fama  atraiu os patrocinadores, transformando-o no primeiro programa a utilizar a técnica de merchandising na TV brasileira. As histórias não tinham interrupção para o intervalo comercial, por isso, durante os  diálogos ou cenas com atores fixos, eram introduzidas divulgações de produtos como vitaminas, bolos, Biotônico Fontoura e Kibon, esta, patrocinadora da série a pertir de 1953.  Por isso, dentro da história Emília no País da Gramática, foi exibido o episódio “K”. Outro patrocinador era o Complexo Puritas, que produzia uma espécie de chocolate maltado para ser consumido misturado com leite.  Para divulgar este produto, as crianças apareciam na cozinha de Tia Nastácia, na hora do lanche, bebendo o maltado Puritas. Em uma dessas ocasiões, a produção por algum motivo colocou sal na jarra. Quando os atores ingeriram o maltado, levaram um susto e começaram a cuspir o produto do patrocinador em plena transmissão ao vivo. Mas este fato não interferiu no sucesso da propaganda, cuja repercussão foi  tamanha que a fábrica suspendeu o patrocínio por não conseguir dar conta do número de pedidos.

Apesar de ter conquistado o público e os patrocinadores, a produção da série era reduzida a um único cenário fixo, a varanda do sítio, na qual ocorria a maioria das cenas. Os demais eram montados na hora dependendo das exigências da cada história. Também não havia efeitos especiais e muitos das mágicas, precisavam ser adaptadas aos recursos da época. A principal era a viagem no tempo e no espaço proporcionada pelo pó de Pirlimpimpim. Para quem não sabe, este é um pó mágico capaz de levar a turma do Sítio a qualquer lugar, seja na Roma antiga ou na atual São Paulo. Para  caracterizar seus efeitos, os atores cheiravam um pouco de pó, cujo efeitos deixava-os tontos. A câmera perdia o foco e  ao retornar, apresentava os personagens em um novo cenário, para o qual os atores corriam enquanto estavam fora de foco. È claro que isto era feito antes das drogas alucinógenas tornarem-se populares. Cada Episódio tinha a duração de 45 minutos, iniciado com o tema da música Dobrado, composto por Salatiel Coelho, e com imagens de Júlio Gouveia abrindo um livro para contar uma história. Ao final o episódio terminava com a imagem de Gouveia fechando o livro. Mas a série encerrou a produção em 1962, com um total de 360 episódios, quando Júlio Gouveia afastou-se de seu trabalho na televisão.

Para substituir o Sítio do Picapau Amarelo, foi  adaptado o livro Polllyana. No entanto, os episódios do Sítio foram reprisados durante o ano de 1963. Por terem sido exibidos ao vivo, a reprise consistia em reencenar cada episódio com pequenas variações de diálogos e textos que eram escritos por Lúcia Lambertini.

Em 1964, o Sítio do Picapau Amarelo foi resgatado pela TV Cultura da São Paulo. A série foi exibida sem sucesso durante seis meses com produção de Lúcia Lambertini que voltou a interpretar a Emília.

Outros atores da produção do Sítio para  a Tupi foram escalados para esta nova versão, tais como Edi Cerri, que havia interpretado Peter Pan, agora era a Narizinho, e Roberto Chon que curiosamente foi a Fada Sininho, agora era o Visconde.

Tv Cultura

 

O Sítio voltaria ao ar quatro anos mais tarde, desta vez pela TV Bandeirantes sob o patrocínio do Bolo Pullman. Sua estréia ocorreu no dia 12 de  dezembro de 1967, às 17 horas  novamente sob o comando de Júlio Gouveia e Tatiana Belinky e os respectivos atores da Tupi. Desta vez, o investimento também foi maior, o cenário era um sítio de verdade e o tema de abertura foi novamente de Salatiel Coelho.

Júlio Gouveia estava insatisfeito com o programa, ele não gostava do videoteipe que eliminava a sensação de se atuar em um teatro com uma platéia. As paradas para cortes, ajustes de cena, cenário ou atores, além da necessidade de filmar vários takes de cada cena, faziam com que cada episódio de 30 minutos levasse cerca de  7 a 8 horas  para ser filmado, desgastando atores e equipe técnica. Na Tupi, Gouveia tinha toda a liberdade de criação para seus programas, na Bandeirantes, ele precisava se adaptar ao estilo da casa, para completar,  ele não gostava de ver os episódios interrompidos para intervalos comerciais, algo que não ocorria na Tupi quando o programa  era  ao vivo. Seu descontentamento chegou a atingir o elenco e, após três meses, todos os atores foram trocados.

Esta série ficou no ar por três anos,.

Tv Bandeirantes

 

 

Lista de Episódios

Sítio do Picapau Amarelo

 TV Tupi  SP 1952 A  1963

TV Tupi  RJ 1957 E 1958

TV Cultura 1964

TV Bandeirantes  1967 A 1969

 Cada hisria subdividia-se em vários episódios, cujo não estamos listando.

01-A Pílula Falante

02 -O Casamento da Emília

03 - O Gato Félix

04 –O Irmão do Pinóquio

05-João Faz de Conta

06 -O Alfinete de Pombinho Carijó

07 - O Palhaço

08 –Os Óculos de Dona Benta

09 -O Ensaio

10-A Surpresa

11- O Espetáculo

12- O Pó de Pirlimpimpim

13 -O Curto-Circuito

14- Emília no País da Gramática

15 - Mestre João

16 - A Nau Capitania

17- Caramuru

18 - João Ramalho

19 -A Mudança Para Piratininga

20 -Pedro Sardinha

21-O 13 de Maio

22 - O Primeiro Granfino

23- Dom Francisco das Manhãs

24-A Cama de Dom Gonçalo

25- Amador Bueno

26- Espanhóis em São Paulo

27- O Marquês de Rabicó

28-O Preço do Pão

29- Pedro Taques ou o Nepotismo

30-Parentesco entre Vereadores

31-A Vila de São Paulo se Transforma em Cidade

32 -Os Rios de São Paulo

33-O Cacho de Bananas

34-O Governador das Esmeraldas

35 -A Primavera

36-O Poço do Visconde

37-Os Bilongues da Emília

38-Até Breve

  ----------------------------------------------------------------------------------------------------

O PICA-PAU AMARELO 1974

Em 1974, a obra de Lobato foi levada novamente ao cinema, desta vez com direção de Geraldo Sarno , no elenco  Cid Ribeiro, Gina Izzo, Iracema Alencar,Zeni Pereira, Joel Barcelos, Leda Zepellin, Carlos Imperial e Gianni Ratto.

  

Direção: Geraldo Sarn

O pessoal do Sitio do Pica-pau, recebe uma carta do Pequeno Polegar anunciando sua visita. Mas com ele chegam Tom Mix, Barão de Mucchausen, La Fontaine, Hercules, Dom Quixote e Sancho Pança, que fazem uma grande festa a qual é interrompida  pelo Capitão Gancho, furioso por não ter sido convidado.