Foi um ator e dramaturgo brasileiro. Popularmente conhecido como um grande intérprete de bandidos, o ator começou a carreira no teatro em 1966. A estréia aconteceu em peças infanto-juvenis no Tablado, sob a direção de Maria Clara Machado. A partir da década de 70, Setta passou a atuar também no cinema. Entre os destaques estão A Dama do Lotação, Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia e Tiradentes. Em 1973, o ator descobriu outra vocação. Setta virou dramaturgo e escreveu, junto com sua irmã, Vera Setta, e com Dudu Continentino, a peça Verbenas de Seda. Mas foi na televisão que Setta tornou-se popular e ganhou a fama de mau. Nove entre dez de seus personagens eram vilões. Participou do humorístico “Os Trapalhões”, de 1982 á 1986. Participou de sucessos como “O Rebu” (Globo – 1974), “Senhora” (Globo – 1975), “Sem Lenço, Sem Documento” (Globo – 1977), “Feijão Maravilha” (Globo – 1979), um de seus grandes trabalhos na pele do bandido enrolado Coruja, e “Roque Santeiro” (Globo – 1985). O último trabalho na tevê foi em 1998 na extinta Rede Manchete, na novela “Mandacaru”. No cinema fez filmes importantes como: “Lúcio Flávio, O Passageiro da Agonia”, “A Dama do Lotação”, “Além da Paixão” e sua última participação nas telonas foi em “Tiradentes” de 1999. Morreu de câncer generalizado no dia 06 de Abril de 2001 aos 55 anos no Instituto Nacional do Câncer.